terça-feira, 26 de junho de 2012

O ÚLTIMO DESAFIO


Em um antigo monastério de um bairro pacato no interior da Itália, um seminarista postulante a padre se via às voltas com um amor proibido e as regras de conduta de um tio muito ranzinza que o havia criado dentro do mais absoluto ortodoxismo católico. O jovem fora submetido, com êxito, a desafios diversos para provar sua total devoção à vida religiosa, a fim de estar apto a receber a benção suprema do curso eclesiástico ministrado pelo próprio tio.  Depois de anos de estudos e treinamentos, o candidato a padre bateu a porta dos aposentos do velho mestre e disse:

- Acho que já estou pronto para ser ordenado padre da Igreja da Luz. Ministrei pontualmente todas as missas agendadas da semana, abençoei as dispendiosas obras de caridade da comunidade com as generosas ofertas dos fiéis e o mais difícil para mim foi negligenciar em definitivo o demoníaco amor pela Carminha, sentimento que me acompanha e desarranja desde que minhas retinas se viram perdidas em encantamento pela Carmen Lúcia nos jardins da igreja, tudo em nome do ordenado e em respeito a tudo que me ensinaste sobre responsabilidade com as coisas de Deus. Espero que o Senhor esteja orgulhoso de mim! Não há mais nada a aprender.

O velho sorriu e olhou para o jovem seminarista com uma ternura incomum, jamais vista em tempos de duro treinamento e disciplina. Ele tinha a bíblia aberta nas páginas do Decágono, quando falou:

- Enfim foste testado, meu garoto! Ansiei temerosamente por este dia. O dia em que foste testado pelo coração. Deus faz as revelações ao seu tempo. Mandou um anjo sem asas para te dar o último dos ensinamentos. Fico orgulhoso em ter um aluno tão dedicado e zeloso, mas sem pesar e com alegria no coração vos digo que não sereis mais padre.

O sobrinho se prostrou de joelhos perante o tutor e beijando-lhe as mãos continuou:

- Amado Tio, não digas isso, o senhor me ensinou que Deus é a verdade e a vida. Ele é tudo para mim agora. Oh, mestre, o que pensarás Deus de mim se eu o trocar por um sentimento bobo de criança nascido entre as rosas e hortaliças, em noites frias de inverno da Igreja da Luz? Como posso não ter aprendido o caminho correto, se o que escolhi foi renegar o mundo em nome do PAI de Todos? O que fiz de errado?

- Simples, amado!  Vós não entendestes o décimo primeiro mandamento, sem o qual todos os outros não tem a menor importância.

Fechando a bíblia, o velho do monastério respirou fundo e olhou para o seu pupilo com  olhos de adeus, dizendo por fim:

- SEJAS FELIZ, FILHO, POIS O VERDADEIRO DEUS VEIO PARA LHE MOSTRAR O CAMINHO DAS FLORES!

Nenhum comentário:

Postar um comentário